Fga. Haydée B. L. Zamperlini | Fonoaudióloga

Entendendo os hábitos de sucção e suas necessidades

Para o bebê, sugar não é apenas para saciar a fome, reduz suas tensões.

Publicado em 25/06/2018

Fga. Haydée B. L. Zamperlini

Fga. Haydée B. L. Zamperlini - Fonoaudióloga

Colunista
compartilhamento:
  • Compartilhar no Facebook
  • Twittar
  • Compartilhar no Google Plus
Entendendo os hábitos de sucção e suas necessidades

A sucção é uma função inata, aparece aproximadamente na 17ª semana da vida uterina e na 32ª a 34ª semana gestacional espera-se a coordenação adequada da sucção, deglutição e respiração.

 

A orientação do Ministério da Saúde é que se coloque os bebês perto do seio materno logo que nascem, para que o ele procure instintivamente o bico do seio e inicie o movimento reflexo de sucção.

 

Alguns recém nascidos podem nascer sem  o reflexo de sucção, geralmente observamos nos prematuros, mas podem ocorrer no bebê a termo também. Quando isso ocorre é preciso a intervenção de um fonoaudiólogo para estimular a sucção.

 

 Como a boca do recém nascido é muito sensível, as informações do mundo externo logo após o nascimento são captadas através da sensibilidade de lábios e ponta de língua, por isso quando tocamos nos lábios o bebê abre a boca.

 

O ato de sugar para o bebê não é apenas para saciar sua fome, mas é prazeroso e o acalma, reduz suas tensões.

 

Quando o bebê nasce passa por um período de desenvolvimento psicológico chamado de fase oral até o 18º mês de vida, onde sente prazer ao redor da boca e na sua manipulação. Fontes de prazer nesta fase são sugar, mastigar e morder.

 

O movimento de sucção deixa de ser reflexo os 4 meses de vida, passando a ser um movimento voluntário.

 

A sucção adequada tem um papel importante no desenvolvimento ósseo, muscular e favorece o equilíbrio do posicionamento das arcadas. Além de estabelecer o equilíbrio da respiração, sucção e deglutição.

 

Apresentamos dois tipos de sucção:

 

Natural:

 

- Amamentação

 

Além dos benefícios nutricionais,  favorece o crescimento harmonioso da face, equilibra o os lábios, língua e bochechas consequentemente o bom funcionamento do sistema estomatognático.

 

Os bebês amamentados no seio materno pelo menos 6 meses apresentam menor frequência de hábitos orais não nutritivos.

 

A Academia Americana de Pediatria (AAP) recomenda  o uso de chupetas após 3 a 4 semanas do nascimento, quando supõe-se que a amamentação esteja estabelecida. A confusão de bicos, fluxo e estímulos levam ao desmame precoce.

 

Artificial:

 

- Mamadeiras, chupetas, digitais, panos, fraldas e acessórios

 

A sucção artificial sempre será menos satisfatória do que a natural e quando mal administrada pode ocasionar alguns danos no desenvolvimento da musculatura orofacial.

 

Hábitos de sucção de chupeta e mamadeira quando prolongados podem provocar inadequação da musculatura labial, ausência do vedamento labial, podendo estabelecer um padrão de respiração oral.

 

O processo de amamentação (dúvidas com iniciação  e introdução alimentar no primeiro ano de vida) precisa de muita informação, orientação e entendimento para fazermos as escolhas conscientes.

 

A Fonoaudiologia e o Curso da Somos Mães de Primeira Viagem podem esclarecer e ajudar a vocês, pais, neste processo, participem do nosso curso. Informações no link: 11ª Turma - 28/7.

compartilhamento:
  • Compartilhar no Facebook
  • Twittar
  • Compartilhar no Google Plus

Sobre o colunista

Fga. Haydée B. L. Zamperlini

CRFa. 2 - 3468
 

Especialista em Audiologia pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia

Especialista em Motricidade Orofacial  pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia
Mestre em Distúrbios da Comunicação- Pontifícia Universidade  Católica de São Paulo  -  PUC-SP

Fonoaudióloga Clínica

Assessoria  Escolar

Palestrante do Curso de Gestantes Somos Mães de Primeira Viagem

Mãe do Flavio, do Augusto, da Marina e da Isabella