Roberto Cavalcante Lima Fabricio | Advogado

Aspectos trabalhistas da gravidez de risco

Como e quando a gestante deve se afastar do trabalho

Publicado em 01/03/2018

Roberto Cavalcante Lima Fabricio

Roberto Cavalcante Lima Fabricio - Advogado

Colunista
compartilhamento:
  • Compartilhar no Facebook
  • Twittar
  • Compartilhar no Google Plus
Aspectos trabalhistas da gravidez de risco

Uma parcela considerável das mulheres grávidas encontra-se na situação denominada "gravidez de risco", ou seja, quando a gravidez pode oferecer algum grau de perigo à saúde da grávida ou de seu bebê. Como algumas destas gestantes possuem vínculo de trabalho - ou seja, estão na condição jurídica de empregadas quando da constatação da gravidez de risco -, é muito importante para estas futuras mães conhecerem seus direitos neste momento tão delicado da vida. 



O primeiro ponto a atentar é que a partir da indicação pelo médico da grávida de que esta deve repousar em função da constatação da gravidez de risco, ela poderá pleitear junto ao INSS o benefício do auxílio-doença, quando os primeiros 15 dias de afastamento serão pagos pelo empregador e os demais pelo próprio órgão previdenciário. É importante ressaltar que caso o INSS negue este direito - geralmente pela conclusão na perícia de que a gravidez não é de risco ou por conta da alegação de ausência de carência - poderá ser promovida ação judicial para obrigar a previdência a rever sua posição. 



Uma vez constatada a gravidez de risco, a gestante não poderá ser obrigada a trabalhar por sua empresa empregadora. A execução de trabalho nesta condição (por ordem do empregador) poderá gerar dever de indenização contra a empresa e em favor da empregada gestante. 



Em suma, o mais importante cuidado ao ser tomado no curso de uma gravidez de risco é o acompanhamento constante a ser feito pelo obstetra, tanto para a constatação efetiva desta gravidez de risco - a ser formalizada por laudo médico - como para o acompanhamento de sua progressão, o que servirá para a suspensão do contrato de trabalho e para o benefício previdenciário, garantindo-se assim o necessário repouso à gestante. 

compartilhamento:
  • Compartilhar no Facebook
  • Twittar
  • Compartilhar no Google Plus

Sobre o colunista

Roberto Cavalcante Lima Fabricio

Advogado e consultor em planejamento estratégico em São Paulo, pós-graduado em Direito Internacional pela PUC-SP e em Direito Ambiental pela UEA-AM. É especialista assistente da Convenção Quadro para Mudanças Climáticas das Nações Unidas (FCCC-UN), membro da World Future Society e vice-presidente da ONG Caminho de Mãe.