Tentantes | NOTÍCIA

Gravidez após os 35 anos

Especialista em reprodução assistida explica técnicas que possibilitam uma gravidez tardia

Publicado em 04/07/2018

compartilhamento:
  • Compartilhar no Facebook
  • Twittar
  • Compartilhar no Google Plus

Gravidez após os 35 anos

A mulher conquistou o mercado de trabalho e, a cada ano, adia a decisão de ser mãe.  Dados do Ministério da Saúde mostram que o número de mulheres que foram mães após os 40 anos subiu 49,5% em 20 anos. Mas, como realizar o sonho de ser mãe indo na contramão da vida reprodutiva da mulher?

 

Aos 35 anos as chances de uma gravidez natural diminuem consideravelmente. Segundo a ginecologista Claudia Navarro, especialista em reprodução assistida e diretora da clínica Life Search, o relógio biológico feminino é um dos principais fatores que determinam o sucesso de uma gravidez.

 

“O auge da vida reprodutiva feminina acontece no intervalo entre 25 e 35 anos. Como a mulher já nasce com todos os óvulos, com o passar do tempo, existe uma diminuição na quantidade e uma piora na qualidade. Assim, a partir dos 35 anos, a chance de gravidez começa a diminuir gradativamente e, aos 40, ela é de cerca de 10%”, explica a médica. 

 

E se uma gravidez natural não for possível?

 

Se as tentativas naturais de uma gravidez foram frustradas, o ideal é procurar ajuda médica para avaliar a fertilidade e orientar sobre as técnicas de reprodução assistida. “No caso da mulher, há exames que podem ajudar a conhecer melhor o corpo”, afirma Cláudia. Análises da reserva ovariana, por exemplo, oferecem informações que serão avaliadas pelo médico, que irá determinar qual a melhor opção no tratamento daquele casal.

 

“Existem técnicas que induzem a ovulação, por exemplo. As técnicas de reprodução assistida, como inseminação artificial e fertilização in vitro (FIV) são indicadas quando o casal apresenta um quadro de infertilidade”, exemplifica a especialista. No caso da FIV, após a fecundação realizada em laboratório, os embriões formados são transferidos para o útero. “É uma técnica segura e que se aperfeiçoou muito para reduzir ao máximo a taxa de gemelaridade nas gestações”, destaca Cláudia.

 

Congelamento de gametas ajuda no planejamento

 

Para mulheres que não decidiram se querem gerar um filho ou que pretendem deixar a maternidade para o futuro, o congelamento de gametas é uma alternativa.

 

“Quando a mulher quer planejar uma gravidez futura, ela pode recorrer à criopreservação e, depois, quando optar por ser mãe, contar com a técnica de fertilização. Mas vale sempre ressaltar que a idade é um fator que interfere nas chances de uma gravidez”, destaca a médica.

 
compartilhamento:
  • Compartilhar no Facebook
  • Twittar
  • Compartilhar no Google Plus